0Item(s)

Nenhum produto no carrinho.

Product was successfully added to your shopping cart.

O lutador de MMA Nate Diaz, conhecido por suas atitudes polêmicas e língua afiada, aprontou mais uma na última quinta-feira [15ago2019]. O lutador apareceu em um treino aberto do UFC ostentando um belíssimo baseado e sem cerimônias, acendeu e jogou fumaça para os presentes que foram ao delírio com a atitude.

Imagem: Getty

Nate diz que o cigarro era feito de uma erva rica em CDB e sem componente psicoativo. O baseado teria sido receitado por um membro de sua equipe. O uso de CDB é liberado pelo UFC desde 2018, mas o uso do THC continua proibido pela franquia.

O mais legal nesse acontecimento é podermos abrir este diálogo sobre o tema! Nate diz usar o CDB por recomendação médica da equipe. O uso medicinal já é visto com bons olhos pela franquia.O treino e a luta foram realizados no estado da Califórnia, onde o uso [tanto recreativo como medicinal] é liberado.

A atitude chocou e causou diversas opiniões nas redes sociais. Um atleta deveria levantar esta bandeira? Ele deveria incentivar? Tá errado? Tá certo? O uso era mesmo terapêutico?

Notoriamente que a ação pode ter sido uma jogada de publicidade da marca de pre-rollers que apoia o atleta, e se vai condenar por isso? Quantas vezes já não foi visto atletas em situações semelhantes consumindo energéticos, isotônicos e afins.

Seria a canabis o alvo das criticas? Energéticos e isotônicos tem diversas resalvas quanto ao seu uso e sempre foram utilizados sem que chocasse o público.

Em um mercado que mesmo legalizado, regulamentado, que mostra diversas melhoras em diversos setores de sociedade a canabis ainda choca, em que ponto estamos no Brasil? Onde além da criminalização o preconceito da sociedade é aparente em relação a planta.

20/08/2019 09:32 By King Bong ufc, natediaz, canabis, weed, kingbong, CDB, THC,

Você é aquele tipo de pessoa que diz não gostar do seu nome? Então você precisa conhecer essa moça:

Marijuana Pepsi Vandyck, uma americana de 46 anos, acabou de terminar seu doutorado, após enfrentar anos de bullying.

Aos 9 descobriu a peculiaridade no nome, quando percebeu os comentários entre as crianças e seus professores, no começo não aderiu a ideia da mãe, mas confiou na genialidade da mãe ao dizer que seu nome a levaria, começando a sentir orgulho de si mesma.

Imagem retirada do portal R7

Pepsi, é um refrigerante popular principalmente nos Estados Unidos, e Marijuana, além de ser um nome latino, é uma gíria usada por lá, para se referir a maconha. Sendo assim, seus professores evitavam seu nome e a chamavam de Mary, até que um dia participou e ganhou um concurso de soletração da escola, e ao chegar em casa se deparou com sua mãe furiosa por apelidarem indevidamente a filha, exigindo assim que fosse retirado o apelido da certificação .

Apesar dos comentários e estranheza estava tudo bem, até que Marijuana chegou ao ensino médio, aí sim o bullying começou, fazendo-a sentir vontade de desistir, mas sua família a apoiou em todo o momento, ajudando a lidar com toda a situação e suportar as situações constrangedoras e maldosas causadas na escola.

Esse ano, Marijuana concluiu o doutorado e liderança pela Universidade Cordeal Stritch, em Wisconsin, e relatou em uma entrevista uma situação em que passou no seu primeiro semestre dando aula com uma colega professora, que fez uma queixa ao diretor ao ver a lista de alunos que lecionaria.

Por não entender o que estava acontecendo, seus demais colegas explicaram que os nomes deduziam que a professora daria aula a alunos negros, gerando grande indignação e assim, inspirando sua tese do doutorado “Nomes negros em salas de aula brancas – Comportamentos de professores e percepções dos alunos”

 

25/06/2019 18:12 By King Bong marijuana, maconha, pepsi, legaliza,

O Reggae se tornou Patrimônio Imaterial da Humanidade graças ao comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco.

Reggae é um ritmo musical oriundo da Jamaica, entre uma mistura de ska e rocksteady, e teve a primeira banda em 1968, e por conta da imigração à Europa e América, o ritmo rapidamente se popularizou pelos continentes.

Além disso, tem como referência o fenômeno mundial Bob Marley, o principal do Reggae e um dos principais da cultura musical, com canções famosas e regravadas por outros artistas como No woman no cry, one love, this is love, entre outras.

Com mais de quarenta pedidos, a Unesco declarou o reggae como patrimônio imaterial da humanidade pela sua essência, suas letras nada mais são do que paz, amor e união.

Suas letras politizadas, trazem consciência através de uma batida leve e solta, ao mesmo tempo que é dançante ou romântica, fala de assuntos importantes, como o racismo, o preconceito, a desigualdade, injustiça. É uma maneira de “combater” o mau com o amor em forma de musica, e talvez isso funcione de alguma maneira, visto o reconhecimento gerado.

A Ministra da Cultura da Jamaica, Olivia Grange, diz ser um momento único e histórico de extrema importante, além de dar visibilidade a cultura rasta, que predomina na Jamaica, é uma conquista restrita ao reggae jamaicano, que por sua vez merece o crédito por toda sua historia.

Diferente das “7 maravilhas” o mundo, que consiste em obras únicas de beleza e perfeição, os Patrimônios materiais podem ser diversos, pois unem praticas, danças, musicas e expressões culturais de um país ou região específica característica, no qual se usam objetos ou instrumentos  para a realização das apresentações ou rituais em questão.
Dentre os Patrimônios Imateriais, estão também o  taekkyeon, luta sul-coreana, lenjs que são barcos artesanais iranianos, Kôrêdugaw, rito de sabedoria do povo de Mali, entre outros.

O álbum “VIVER (mais leve que o ar)”, de Marcelo Falcão, foi lançado em meados de fevereiro. Entre suas canções, está “Só Por Você”, com duração de 4:20 e uma menção indireta à Cannabis: “só com você eu sinto me curar”.

 

No clipe, o ex-vocalista do Rappa acende um baseado e solta a baforada de fumaça. Se ele defende a legalização? Sim. Mas o cantor acredita que o primeiro passo é melhorarmos a educação para evitar a criminalização do movimento.

Primeiro precisamos falar sobre o que a gente mais precisa: educação”, disse Falcão, destacando que esse é o motivo de não se falar explicitamente sobre Cannabis no novo álbum.

 

Durante sua infância, ele passou por um tratamento pesado devido a uma suspeita de epilepsia. Caso tivesse optado pela Cannabis medicinal, teria tido mais qualidade de vida.

Eu tenho amigos que têm condições de fazer o óleo

medicinal. Conheço um montão de gente que depende desse tipo de medicamento. Eu sei exatamente como essas pessoas se sentem por eu já ter me sentido assim achando que eu poderia ter tido epilepsia”, contou o vocalista.

“Mas eu sou um rasta nacional e tenho a convicção de que, primeiro, precisamos melhorar a educação e a saúde. Para falar sobre esse assunto, só com educação. Do contrário, vão nos julgar dizendo que estamos querendo legalizar uma coisa que, ainda, é crime”, argumentou Falcão, que também falou sobre sua paixão por vinil – a capa do seu novo disco faz clara alusão aos LPs.

 

 

07/06/2019 09:51 By King Bong

 

Há quem critique a queda da temperatura dessa época do ano. Os amantes do verão destilam seu ódio nas redes sociais contra o frio que dificulta a (já difícil) tarefa de levantar de manhã para trabalhar ou estudar. E talvez eles estejam um pouco certos. Mas se organizar direitinho, dá pra curtir esse tempo num role com muitos amigos e natureza. Que tal um festival?

Com pouca frescura e bastante brisa boa, os festivais levam a galera da cidade pra passar uns dias “no meio do mato”. Montar acampamento é o jeito, só pra ter um lugar pra descansar de vez em quando e poder voltar renovado pro rolê.

Um mínimo de organização, no entanto, é necessário. Afinal de contas, você não quer correr o risco de perder a diversão do evento, não é mesmo? Pois nossa sugestão pra você não vacilar é escolher um bom kit!

Conjuntos como o Shoulder Bag Puff Life garantem que você guarde tudo ali: seda, dichavador, isqueiro, carteira, cartões, pirulitos, etc, etc e etc - um bom rolezeiro sabe do que estamos falando.

A bolsa tem quatro compartimentos, é resistene à água e pode ser usada também como pochete. Só não dá pra colocar um guarda chuva!

Garanta o seu agora mesmo. E aproveite o “festivas, meu”.

03/06/2019 16:26 By King Bong maconha, ganja, legaliza, trance,

Mercado global de Cannabis vai movimentar US$ 194 bi, aponta relatório

De acordo com um levantamento do Banco de Montreal, o mercado mundial de Cannabis movimentou US$ 18 bilhões em 2018. O número pode crescer exponencialmente e chegar a US$ 194 bilhões até 2026 – isso se não houver aumento na previsão de quantidade de países que devem legalizar a planta.

 

Já são 40 as nações que permitem o uso medicinal da planta, além de cinco deles autorizarem o uso recreativo também. Segundo o relatório, 60 países devem ter alguma forma de Cannabis legal nos próximos cinco anos.

Atualmente, o mercado canábico dos EUA parece ser o mais maduro do mundo. Apesar de não ter legalizado a planta em nível federal – como aconteceu no Canadá, por exemplo, mas que ainda sofre com o desabastecimento de produto -, os estados que autorizaram o uso recreativo, como Califórnia e Colorado, têm aproveitado o aquecimento desse setor.

Para se ter uma ideia da força da Cannabis nos Estados Unidos, o número de trabalhadores na indústria da planta é de 300 mil pessoas, enquanto as fabricantes de cervejas empregam apenas 69 mil. Os valores não consideram apenas aqueles que trabalham no cultivo da planta, mas também em tecnologia para produção, como luzes, softwares de logística e infusão da planta em produtos tradicionais, como bebidas e cosméticos.

No Brasil, o mercado canábico regulamentado poderia movimentar US$ 2,4 bilhões, de acordo com a consultoria americana New Frontier Data em parceria com a startup brasileira The Green Hub. Outros países latino-americanos se beneficiariam com a regulamentação do negócio: México (US$ 1,9 bilhão), Chile (US$ 1,5 bilhão), Argentina (US$ 1,1 bilhão) e Colômbia (US$ 700 milhões).

“À medida em que a comunidade internacional dedica cada vez mais atenção a uma reforma das leis de consumo de cannabis e envolve-se com o setor da cannabis legalizada, surge uma miríade de oportunidades em lugares onde até pouco tempo atrás essa atividade parecia inimaginável”, afirma Giadha Aguirre de Carcer, fundadora e diretora-executiva da New Frontier Data.

30/05/2019 15:28 By King Bong

EUA contratam “boladores profissionais” de Cannabis para experimento

No mês passado, o Instituto Nacional de Abuso de Drogas (NIDA, sigla em inglês) dos EUA recrutou pessoas com experiência em preparar cigarros de Cannabis. A entidade teve como objetivo avaliar os “baseados” de acordo com critérios das leis da física.

 

Segundo o site da NIDA, os candidatos teriam que “manufaturar cigarros padronizados com diferentes concentrações de delta-9-THC e analisar força e estabilidade deles em diferentes intervalos, além de ter capacidade de manter um ambiente seguro de envio dos cigarros para pesquisadores”. Será necessária uma grande quantidade de “baseados”.

Além de uma ficha livre de antecedentes criminais, os “boladores” precisavam apresentar “extensa experiência em desempenhar a tarefa do projeto e demonstrar ter à disposição equipamentos e locais de produção adequados”.

Obviamente, apenas cidadãos estadunidenses puderam se candidatar. No entanto, sabemos que muitos brasileiros tirariam de letra essa tarefa – e aí, você seria um desses?

 

30/05/2019 12:59 By King Bong maconha; ganja, legalização,

A criatividade dos consumidores de Cannabis parece não ter limites. Entre os infinitos e inusitados artigos que fazem a diversão desse público, existe agora uma guitarra em que se pode fumar. Isso mesmo: a Dunable Guitars, de Los Angeles, na Califórnia (EUA), desenvolveu um instrumento em que se pode tocar e utilizar a planta.

 

Criada especialmente para o festival Psycho Smokeout, que aconteceu no mês de abril, a guitarra é toda estilizada com estampas simulando a planta e possui um reservatório para depositar Cannabis. Através de um orifício posicionado estrategicamente, o músico pode abaixar a cabeça e tragar a fumaça de dentro do instrumento – um mecanismo com funcionamento semelhante a um cachimbo.

Um dos participantes do evento, inclusive, teve a felicidade de ganhar um exemplar da guitarra em sorteio.

Se você também tem afinidade com instrumentos musicais e Cannabis, certeza que ficou interessado, não? Será que essa guitarra ainda vai fazer parte dos nossos estoques?

 

27/05/2019 12:42 By King Bong canabis, maconha, legaliza, ganja, weed, smooke,

A proibição da maconha é racista e eu te digo o porquê!

Alguns estudos apontam o Brasil como o primeiro país a proibir legalmente a maconha, ou pelo menos um dos,(Napoleão Bonaparte, há algumas decadas antes também teve essa brilhante ideia por alegar que os egípcios se tornavam "agressivos" quando colonizou parte da região africana). Em 1830 a Camara Municipal do Rio de Janeiro deu o aval para prender por três dias os usuários, e uma multa altíssima a quem vendesse.

Com o passar do tempo e as mudanças na lei, as regras mudaram: Ser usuário deixou de ser crime,sendo substituído pela venda. Qualquer pessoa que for pega vendendo maconha é considerada ilegal e vai responder por crime de tráfico de drogas.

Porém, isso fez com que o numero de pessoas presas por esse crime duplicasse,hoje mais de 30% dos presidiários cumprem pena por tráfico de drogas, e mesmo assim nada impede que o Brasil seja um dos países com mais usuários de maconha do mundo.

Coincidentemente o Rio de Janeiro é o Estado onde o tráfico de drogas é predominante, uma grande parcela da população, principalmente nos morros está envolvida com esse tipo de crime, além e muitos políticos concominados.

Imagem retirada do site: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-06/lei-de-drogas-tem-impulsionado-encarceramento-no-brasil

Mas porquê maconha é coisa de negro?

Apesar de ser benéfica em muitos sentidos (desde sua fibra até seu extrato), a maconha chegou ao Brasil através dos escravos, negros, oriundos de países da Africa.

Eles usavam a maconha principalmente para fins religiosos, o que causava medo nos brancos alienados da epoca, pois associavam o efeito da erva às danças "escandalosas" e gritarias nas reuniões religiosas dos escravos.

Obviamente, por ser "coisa de negro", foi vista durante muito tempo com maus olhos, visto que os escravos e suas culturas eram desprezados.

Assim como o português-brasileiro repudiava a erva do africano, a mesma historia se repetia com os franceses contra os arabes, e os americanos contra os mexicanos.

Povos diferentes, mas a mesma história, se a erva vem de um povo inferior aos olhos da monarquia, ela é inferior tanto quanto.

Conquistar sua liberdade não significa alcançar seu merecido respeito.

E enquanto maconha for coisa de negro, ainda vai haver muitas pessoas contra a legalização, e a população se mantém escrava do tráfico, e dos seus senhores, ricos, poredoros e preconceituosos.

Hoje, 13/05 é o dia da "Abolição da Escravatura", um dia para se lembrar de que foi preciso um decreto para libertar quem sempre deveria ser livre, não só do tronco, mas da guerra às drogas. 

 Imagem tirada do Clip "Rock Stone" de Stephen Marley, sobre a maconha, o negro e a escravidão.

Tráfico no Brasil já não é mais uma novidade, mas um papagaio dedo duro é a primeira vez...

Um papagaio foi apreendido após dedurar policiais em uma ação na Vila Irmã Dulce, zona sul de Teresina, Piauí.

Segundo os policiais, ao se aproximarem do local o papagaio começou a gritar “Mamãe, policia!”, a dona do papagaio, identificada como Índia, não foi presa por não estar diretamente ligada ao esquema, mas seu marido e sua filha, de 16 anos foram levados por estarem com crack e maconha escondidos, a menor foi liberada após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO ).

Capitão Josue, do Batalhão de Policiamento Ambiental relatou: “Recebemos esse animal na Central de Flagrantes depois dele ter sido apreendido em uma ocorrência de tráfico de drogas. É muito comum que esse tipo de criminosos tenha esse tipo de animal, que é um crime ambiental”

O papagaio, do tipo verdadeiro, e que pode viver até 70 anos, foi examinado por um veterinário que não confirmou ser possível o animal ser treinado para esse tipo de situação, talvez seja a reação à qualquer pessoa desconhecida que entre no local.

O papagaio não quis dar depoimento, permanecendo em silêncio a todo o tempo na delegacia, aparentemente  bem obediente e fiel aos donos, o papagaio foi levado à um zoológico para aprender a voar e em seguida será solto na natureza.

Feliz ou infelizmente, será um papagaio a menos no trafico de drogas.

fonte https://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2019/04/23/papagaio-que-avisou-da-chegada-de-policiais-em-ponto-de-trafico-e-transferido-para-o-zoobotanico.ghtml