Tecnologia verde: Empresa cria carro feito de maconha

O carro conversível Mazda Miata tem sua estrutura feita com uma fibra feita a base da planta. Segundo Bruce Dietzen, criador do veículo, sua inspiração veio de Henry Ford que, segundo a lenda, também fez sua versão canábica de um automóvel em 1941.

Parece uma história saída de um dos clássicos do Cheech & Chong. A empresa da Flórida (EUA), Renew Sports Cars, resolveu levar ao pé da letra o conceito de “tecnologia verde” ao criar um carro feito com um material que tem como base a nossa querida maconha. O veículo, baseado no design do esportivo Mazda Miata, tem sua estrutura feita com fibras de cânhamo e um motor que promete não poluir o meio ambiente.

Para fazer esta estrutura, os fabricantes tiveram que tecer uma malha de cânhamo, que é moldada, fortalecida com resina e depois pintada com o vermelho típico dos carros esportivos – processo que também é feito, por exemplo, no avião feito de maconha que mostramos há algum tempo.

Além da estrutura verde, o motor escolhido para equipar o carro também é “ecofriendly” e roda com o chamado BioButanol, que não polui e não necessita de nenhuma alteração nos motores convencionais.

Segundo Bruce Dietzen, desginer da empresa (que já passou por companhias como HP), sua inspiração veio de um velho conhecido da indústria automobilística: Henry Ford. Segundo Bruce, Ford também criou seu veículo canábico em 1941, quando projetou um protótipo feito a base de maconha e de soja.

 Tecnologia verde: Empresa cria carro feito de maconha

Os planos para o Miata da Maconha são de comercialização em massa nos Estados Unidos a preços inicias de US$ 42 mil (cerca de R$ 161 mil). Enquanto isso, Bruce viaja com o veículo pelo país em busca de investidores que topem a aventura de colocar suas doletas nestes carros canábicos.

E para os que acham que o carro será fraco e sem potência, as 3 versões que serão lançadas provam o contrário: um delas, chamada de Canna EV, terá potência de até 400 cavalos e será 22% mais “limpo” que os carros elétricos atuais.

Apesar de ser uma ótima notícia para o mundo, a novidade serve com um tapa na cara para as autoridades brasileiras: enquanto lá fora já vemos carros e aviões feitos com a maconha, por aqui ainda prendemos pessoas por um simples baseadinho. Abrão o olho!